02 maio 2015

A Canção da Espada – Bernard Cornwell



Livro: A Canção da Espada  
Autor: Bernard Cornwell
Série:Crônicas Saxônicas #4
Editora: Record
Páginas: 350  
A legião de leitores de Cornwell não pára de enviar e-mail e cartas à editora para cobrar o lançamento deste livro. O quarto volume das Crônicas Saxônicas dá prosseguimento à saga de Uhtred, o guerreiro saxão relutante em se aliar a Alfredo, o Grande. Neste livro, ambientado cinco anos após os acontecimentos narrados em Os senhores do norte, o leitor é testemunha de como o exército de Alfredo expulsa os dinamarqueses de Londres. O reino de Wessex resistiu aos inúmeros e violentos ataques dos vikings. Agora, com Uhtred na liderança, os saxões do oeste dão início à campanha que culminará na fundação de um novo reino chamado Inglaterra.

                       

Minhas considerações...
Como se era de imaginar os saxões começam a se reerguer lentamente mas, estão caminhando para ter todo o território da Inglaterra novamente. Nosso amigo Uhtred é tentado a seguir os Noruegueses...SIM amigos!!! Se você assim como eu já amava os Dinamarqueses vão adorar os irmãos Erik e Sigefrid <3 que são viking da Noruega.


Mas novamente o senhor Uhtred de Bamburgh fica só na tentação mesmo porque ele é tão cabeção e cai em umas armadilhas do Alfredo que nem o Bernard consegue mascarar mais kkkkkkkk. Está na cara que ele vai se ferrar e ele se ferra mesmo!
Não é o melhor livro da série o terceiro sem dúvida é muito melhor porque gira mais entorno do Uhtred do que o reino de Wessex que nesse livro se junta oficialmente a Mércia de uma forma que eu não esperava.
Nesse livro não poderia ser diferente temos 2 cenas de guerras incríveis, a forma como ele escreve me deixa com uma vontade louca de pegar uma bela espada longa com Bafo de Serpente, um escudo e um elmo para sentir o júbilo da batalha que é tão fascinante para os guerreiros kkkkkk. Me empolguei um pouquinho kkkkkkk. Ressalto aqui não sei se novamente mas, para os Nórdicos não basta morrer em batalha tem que morrer com a espada na mão e só assim eles podem entrar no castelo de Odin. Não deixar um guerreiro Nórdicos morrer com a sua espada é muito cruel...
Sobre o final do livro não quero dar spoilers mas, não sei bem o que esperar dos inimigos do Rei Alfredo, ficou um final meio “deixa que eu deixo” “você vai para lá, que eu vou para cá” sei lá umas páginas a mais poderiam não ter me deixando assim sem imaginar o futuro próximo porque o futuro a longo prazo nós já sabemos, que é continuar tentando expulsar os pagãos da terra de Deus.

Para quem não viu ou não está sabendo segue um teaser da série que a BBC está produzindo baseada nos livros das Crônicas Saxônicas.




Citações favoritas...
Eu, entanto, havia jurado a Alfredo. Havia jurado defender Wessex. Dera meu juramento a Alfredo, e sem juramento não somos melhores que animais. Porém as Norns haviam falado o destino é inexorável, não pode ser trapaceiro.
No entanto, não pensei. Escolhi, ou o destino escolheu, e eu escolhi a amizade.
- Só a um céu. Senhor Uhtred.
- Então que seja o meu o único – disse eu, e naquele momento soube que minha verdade era verdade e que Pyrlig, Alfredo e todos os outros cristãos estavam errados. Estavam errados. Não íamos para a morte e para o céu, e comecei a gritar enquanto nos aproximávamos do inimigo. – Um céu para homens! Um céu para guerreiros! Um céu em que espadas brilham! Um céu para homens corajosos! Um céu de selvageria! Um céu de deuses cadáveres! Um céu da morte.

Para ler ouvindo...
Warriors - Imagine Dragons ♫

Avaliação



Nenhum comentário:

Postar um comentário