27 agosto 2014

As Horas - Michael Cunningham



Livro: As Horas  
Autor: Michael Cunningham  
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 228  
As horas, prêmio Pulitzer de literatura de 1999, pode ser definido como a saga da consciência de três mulheres - uma real, duas fictícias - em busca de algum tipo de inserção no mundo ´normal´, tendo como pano de fundo constante a presença palpável e inquietante da loucura e da morte.
A personagem real, espécie de matriz iluminadora de todo o livro, é Virginia Woolf, cujo suicídio, em 1941, é narrado de forma comovente e realista logo nas primeiras páginas. Ela, mais Laura Brown, uma dona de casa angustiada num subúrbio de Los Angeles, em 1949, e Clarissa Vaughn, editora de sucesso na Manhattan de hoje, são as protagonistas deste livro apaixonante.


Vamos à história...

Querido Leonardo,
Para ver a vida de frente...sempre...para ver a vida de frente
E entende-lá do jeito que é...
e finalmente..entende–la e ama-la do jeito que é,
e então...abandona-la.
Leonard,
Sempre haverá os anos entre nós...sempre os anos...
Sempre o amor...Sempre...AS HORAS.
Em um subúrbio de Londres, no ano de 1923, a escritora Virgínia Woolf está escrevendo o que viria a ser um dos seus grandes sucessos, o livro Mrs Dalloway. Enquanto isso, reflete sobre suas dores de cabeça e como gostaria de voltar a Londres, por isso esforça-se para aparecer saudável afim de convencer seu marido Leonard da melhora do seus estado mental.
Já nos ano de 1949 em Los Angeles temos Laura Brown, uma típica dona de casa melancólica e grávida de seus segundo filho, fazendo um bolo de aniversario para seu marido com a ajuda de seus filho de 3 anos Ritchie.
Nas primeiras horas do dia Laura começou a ler o livro Mrs Dalloway e parece refletir sobre o livro, a autora dele, sobre sua vida de casada, sobre seu filho e sobre o desejo de deixar tudo para trás.
No fim do século XX em Nova York temos Clarissa Dalloway - na verdade este não é seu verdadeiro sobrenome, ela o ganhou de seu ex-namorado e melhor amigo, Richard – para quem está organizando uma pequena festa pelo fato de Richard ter sido ganhador de um prêmio pela sua obra literária.
No decorrer do livro podemos perceber como a vida dessas três personagens estão ligadas pelo livro Mrs Dalloway, apesar de viverem em diferentes épocas.

Minhas considerações...

Eu queria muito ler esse livro depois de ter assistido ao filme que é a adaptação do livro - “As Horas” – e dele ter se tornado um dos meus filmes favoritos ( o que o livro acabou de se tornar também).
Fazia tempo que eu não lia um livro onde o que mais te prende não é a reviravolta na história e sim a reflexão sobre a condição humana.
Em diversas partes do livro eu me identifiquei, em várias parei a leitura para refletir melhor sobre o último parágrafo lido ou me flagrei me sentindo um pouco como a Virginia Woolf, a Clarissa ou como a Laura Brown.
O fato de serem três mulheres as personagens principais pode levar o leitor do sexo masculino a pensar que é um livro de mulherzinha, mas não é!
As personagens principais são muito bem construídas psicologicamente e suas reflexões provavelmente já deve ter passado pela sua cabeça em algum momento da vida.
Podemos observar a escritora Virginia Woolf e seus pensamentos sobre a composição da personagem de seu livro e sobre seus livros. Seus devaneios a respeito de suas dores de cabeça, sua avaliação sobre seus relacionamentos interpessoais incluindo com seus marido Leonard.
Em Laura Brown encontramos uma mulher melancólica com problemas em definir como agi diante de uma criança de três anos. Refletindo sobre sua vida como mulher casa, mãe e dona de casa.
A historia de Clarissa se parece realmente com a do livro Mrs. Dalloway, a banalidade em se organizar uma festa para a pessoa amada, seu súbito desejo em acordar e querer ir comprar flores, a existência de um grande amor da época de juventude....
São vários pontos de vista e vários pensamentos e reflexões que fazem o livro uma ótima leitura e faz jus ao fato de ter sido premiado com um prêmio Pulitzer.
Sobre o filme...O filme é fiel ao livro, uma ótima adaptação com maravilhosas interpretações de Meryl Streep, Julianne Moore e Nicole Kidman que ganhou o Oscar por sua interpretação de Virginia Woolf.



  
Citações favoritas...
As vozes regressaram e a dor de cabeça aproxima-se, tão certa como a chuva, a dor de cabeça que esmagará o que quer que ela seja e ocupará o seu lugar.
Clarissa acredita que, hoje em dia, se avaliam as pessoas, primeiro que tudo, pela sua bondade e capacidade de dedicação.
- Eu julgava-me um gênio. Cheguei mesmo a usar de fato essa palavra, em privado, para comigo.
O livro que temos na nossa imaginação e sempre melhor do que aquele que conseguimos passar para o papel. 

Trailer


Para ler ouvindo...
The Poet ActsPhilip Glass ♫


Avaliação



Um comentário:

Cíntia Arruda disse...

E eu fugindo da Virginia Woolf kkkkkk to com medo de ler um livro sobre um cachorro....kkkkkkk

Postar um comentário